#BrasileirãoFreak – 17/05

brasfreak

Está começando a temporada 2016 do #BrasileirãoFreak. De cara, uma novidade: sai a segunda-feira e entra a terça-feira. Por que Waldemar terça-feira? É que neste ano a CBF anunciou jogos às noites de segunda-feira como novidade, logo, a ideia é pegar as rodadas da Série A completa e as da Série B por começar.

Analisar uma primeira rodada do jeito que geralmente explicamos não é muito produtivo, então vamos com alguns conceitos, mesmo que signifique repetir coisas do ano passado (não sabemos quem são os leitores, mas pressuponho que tenhamos alguns leitores novos).

Muita coisa aqui de projeção de pontuação final vem do conceito de Média Inglesa. Bem explanado aqui pelo Ubiratan Leal no Balípodo. Sendo assim, a Média Inglesa de ambas as duas séries do Brasileirão em liga, A e B, é de 76 pontos. Esta pontuação é normalmente o suficiente para se conquistar o título nos pontos corridos e serve de indicador para ver se a competição foi equilibrada ou não.

Comparando, o Corinthians nadou de braçada em 2015 e fechou com 81 pontos, cinco acima da média inglesa, mostrando que a Série A não foi tão equilibrada na temporada. Já o Botafogo fechou a Série B com 72 pontos, quatro abaixo da média inglesa, demonstrando o equilíbrio na Série B. A grosso modo, podemos dizer que o time está dentro da média inglesa se tiver aproveitamento igual ou superior aos 67% e quanto mais jogos são disputados, menos times ficam dentro dela.

A coluna também calcula o acesso/G-4 próximo aos 63 pontos. O São Paulo foi o quarto da Série A com 62 pontos e o América-MG o quarto da B com 65 pontos, mostrando que é uma marca factível.

Do mesmo modo, calcula-se de início a salvação do rebaixamento com 45 pontos. O Figueirense se salvou da Série B com 43 e o Oeste se salvou da Série C com 44. Assim, seguimos considerando esta marca factível.

Para facilitar o trabalho das projeções, que mudam conforme os campeonatos avançam, a partir do 2.º Turno publicaremos a Régua dos Pontos, que mostrará o mínimo e o máximo de cada time nas duas séries, o que é bastante útil para detectar situações definitivas de times não mais alcançáveis, salvos ou rebaixados.

Outro número que usamos bastante é o conceito de apogeu e perigeu. Apogeu é quando a equipe está na sua melhor classificação no campeonato até o momento e perigeu é justamente o oposto, quando o time está na sua posição mais baixa no certame. É um bom detector de tendências de queda ou subidas de equipes.

Fora isso, qualquer número aleatório, curioso ou sintomático e colocado para dentro nesta nossa coluna. Acho que nem preciso contar.

Freakadas alheias

Tivemos poucas participações na temporada passada, ficando sem post para colar aqui a maior parte do tempo. Mas somos brasileiros e não desistimos nunca. Sendo assim, basta postar algo com a hashtag #BrasileirãoFreak no twitter, que a gente coloca aqui. É para fazermos um exercício coletivo de números inusitados ou não. Pode ser?

About the author

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: