Iguaçu bate Santa Quitéria nos pênaltis e fará clássico contra Trieste na final

O goleiro Rodrigo, de verde, foi o herói da decisão ao pegar dois pênaltis, incluindo a decisiva cobrança de Badé

Em duelo bem disputado no Egydio Ricardo Pietrobelli, na tarde deste sábado (18), o Iguaçu reverteu a vantagem do Santa Quitéria ao vencer no tempo normal por 2 a 0 e garantiu vaga na decisão da Suburbana, contra o arquirrival Trieste, ao vencer nos pênaltis por 3 a 1, quando brilhou a estrela do goleiro Rodrigo defendendo duas cobranças. No tempo normal, os gols foram de Alex Pinhais e Hideo.

“A gente fez uma boa partida, mas infelizmente caímos nos pênaltis e isso é o futebol”, disse o técnico Ary Marques do Santa Quitéria. “a gente merece isso aqui. Jogo dificílimo. Tive felicidade de pegar dois e outro acertei o canto e foi para fora. Para o goleiro, isso dos pênaltis é bom, pois tira toda uma pressão”, disse o goleiro Rodrigo do Iguaçu após o jogo.

O jogo de ida será no próprio Egydio Ricardo Pietrobelli, no próximo sábado (25), às 16h30. A preliminar de juvenis será entre Vila Sandra, que você confere ainda neste texto como se classificou, e o próprio Trieste.

O jogo

Com as equipes entrando em campo, um episódio lamentável. Após uma bateria de fogos de artifício no terreno vizinho saudar a entrada do time do Iguaçu em campo, uma segunda bateria estourou inadvertidamente, provavelmente por erro de armazenamento, causando correria nas bancadas. Vários sinalizadores voaram em direção ao campo e um acertou o nariz do atleta Lucas do Santa Quitéria, cerca de 120 metros do local da detonação. O atleta teve corte no local e entrou no segundo tempo, era reserva, com um curativo.

Com a bola rolando, muito equilíbrio e boas chances dos dois lados. O Santa Quitéria havia vencido a ida por 1 a 0 e um empate era o que bastava. Para o Iguaçu, qualquer vitória levaria para os pênaltis, já que a Série A não tem saldo de gols no mata-mata.

Sem um 9 de ofício, pois quem vestia a camisa era Juliano, um meia-atacante de chegada, o Quitéria apostava também nas jogadas de ponta de Luan e Gustavo Amaral e também nas infiltrações de Massai, utilizado como meia-ofensivo,  a despeito de render melhor como segundo volante.

Massai tinha ido para o jogo sem estar 100% fisicamente, pois havia se lesionado na partida de ida. O camisa 10 tinha amarelo por reclamação quando entrou mais forte em Helton aos 46 minutos da  etapa inicial, deixando o Quitéria com dez em campo.

Nos primeiros minutos da etapa final, a equipe visitante seguiu equilibrando a contenda, mesmo com um a menos. Mas a conta física chegou rápido em um lance discutível. Aos 9 minutos, Luisinho Netto cruzou da direita, a bola passou por Marcelo Tamandaré e chegou a Alex Pinhais, completar. Para muitos que estavam atrás do gol, a finalização teria sido com a mão e não com a cabeça.

Após o gol, o Santa Quitéria partiu para a pressão, mas as boas atuações de Helton e do experiente Aderaldo serviram para arrefecer um pouco os ânimos visitantes.

Se um gol para o Quitéria bastava, a definição de que teríamos pênaltis veio aos 45 minutos. Feijão, com uma bela finta na meia-esquerda, livrou-se de dois adversário de uma vez só e encontrou Marcelo Tamandaré pelo meio. O camisa 20 levantou a cabeça e viu a passagem de Hideo pela direita. O Japonês Voador, que completará 40 anos em dezembro, ignorou os mais de 90 minutos de jogo acumulado e arrancou como um jovem para tocar na saída de Jonas e fechar o placar no tempo normal em 2 a 0.

Nos pênaltis, o Santa Quitéria começou a bater com o goleiro Jonas. Ele foi o único a converter de sua equipe, enquanto que o Iguaçu conseguiu marcar com Emerson, Tonton e Luisinho Netto. Baloy chutou para fora pelo Santa Quitéria e Carlinhos e Badé pararam no goleiro Rodrigo, que garantiu o Alvinegro na terceira decisão consecutiva, na tentativa do bicampeonato consecutivo.

Nos juvenis, goleiro vai de vilão a herói

O goleiro Alex pegou dois pênaltis na decisão entre Vila Sandra e Operário Pilarzinho por uma vaga na final

Na preliminar de juvenis, teve goleiro brilhando nas penalidades. Alex do Vila Sandra pegou duas cobranças e seu time irá à decisão contra o Trieste ao vencer na decisão por pênaltis por 3 a 2, após vitória emocionante por 4 a 3 no tempo normal.

No tempo normal, Alexsandro abriu o placar para o Vila Sandra aos 9 minutos. A resposta do Operário Pilarzinho veio com Léo aos 12 minutos. Alexsandro recolocou o Alvinegro na frente aos 39 minutos.

Na etapa final, o Vila Sandra acumulou gordura com dois gols relâmpago de Gustavo aos 2 minutos e de Willian aos 3 minutos. Brayan diminuiu para o Operário em um chute de longe que contou com um vacilo de Alex e Lucas encostou perigosamente no placar com um gol aos 11.

Como o Operário tinha vencido a ida por 1 a 0. Pênaltis. Aí, na marca da cal, Alex se redimiu do erro no tempo normal ao defender duas cobranças. O time do Operário Pilarzinho ainda acertou uma no travessão e teve seu goleiro pegando uma cobrança. Placar de 3 a 2.

Ficha Técnica:

Iguaçu 2 x 0 Santa Quitéria (agg 3 pts – 3  pts) (PK 3-1)

Estádio Egydio Ricardo Pietrobelli, Butiatuvinha, Curitiba

Iguaçu: Rodrigo; Luisinho Netto, Dudu, Emerson e Aderaldo; Douglão (Marcelo Tamandaré), Helton, Bruninho (Herick) e Hideo; Leonardo (Tonton) e Alex Pinhais (Feijão). Técnico: Juninho.

Santa Quitéria: Jonas; Alex (Djonatan), Carlinhos, Baloy e Badé; Edinaldo Pedra, Russo, Luan (Jean Eduardo) e Massai; Juliano (Pequi) e Gustavo Amaral (Lucas). Técnico: Ary Marques.

Arbitragem: Rafael Traci, Bruno Boschillia, Heitor Alex Eurich.

Gols: Alex Pinhais (IGU, aos 9’/2°), Hideo (IGU, aos 45’/2.º).

Cartões Amarelos: Dudu, Aderaldo, Alex Pinhais (IGU); Massai (SQT).

Cartão Vermelho: Massai (SQT, aos 46’/1.º, dupla advertência)

Confira imagens das partidas:

Este slideshow necessita de JavaScript.

About the author

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: