Igor brilha, faz dois e Iguaçu é bi da Suburbana pela primeira vez após 49 anos

Comemoração do Iguaçu após o título: conquista é apenas o segundo bicampeonato da Suburbana de clube quase centenário

Com dois gols de Igor, que precisou de 14 minutos para entrar para a história, o Iguaçu venceu o Trieste por 2 a 0, na tarde de sábado (9) no Egydio Ricardo Pietrobelli e se sagrou bicampeão da Suburbana após três partidas contra o arquirrival. Foi o décimo título do Alvinegro na competição e o segundo bicampeonato do clube na Suburbana em 98 anos de história. O anterior foi exatamente na metade do caminho, há 49 anos, no biênio 1967/1968. Ninguém era bi da Suburbana desde o Urano em 2008/2009, mostrando o grau de equilíbrio da competição.

“Obrigado ao Iguaçu pela oportunidade de estar aqui”, disse o atacante Igor durante a festa do título. “A gente tá feliz, sempre acreditei no menino. Fomos felizes, foi um ano difícil e nos três jogos fizemos por merecer”, disse o treinador Juninho, que tem agora dois títulos e um vice-campeonato nas últimas três suburbanas.

Do lado do Trieste ficou a sensação de um título ter escapado após uma ótima campanha durante todo o certame. “Fizemos excelente campanha e  faltou controlar o jogo com um a mais no meio. No momento que tocamos, dominamos. Eles saíram bem no contra-ataque que não poderíamos ter tomado, pois o empate nos favorecia. Aí tivemos de sair e eles fizeram isso. Nossa equipe não envolveu como no ano inteiro e fica a lição para no próximo chegarmos bem e conquistarmos o título”, disse o zagueiro Igor, capitão do Trieste.

O jogo

Igor comemora o primeiro gol: explosão de alegria na torcida do Iguaçu durante jogo disputado

O empate favorecia o Trieste, que veio com time com quatro mudanças com relação à partida passada. O Iguaçu tinha apenas o desfalque de Aderaldo e pintou com Tonton, um meia, na lateral-esquerda, posição em que vinha improvisando zagueiros e nunca teve jogador de ofício.

A improvisação de Juninho deu certo, pois Tonton conseguiu, enquanto esteve em campo, segurar as subidas de Neto a contento e ainda armar o jogo pelos flancos.

Do outro lado, sem Marabá, Ivo Petry colocou William Balsa na lateral esquerda. O novo titular sofreu nos primeiros 45 minutos com as jogadas do habilidoso Feijão, entre os melhores jogadores no somatório das partidas finais, e de Luisinho Netto, que parecia jogar sem fazer força no seu estilo mais clássico.

O primeiro tempo foi bastante franco, com Feijão chegando próximo ao gol pelo lado do Iguaçu e o Trieste acertando a trave duas vezes, uma com Danilo.

Na segunda etapa, Ivo Petry sacou Orlei e Balsa e colocou Bodão e Rodrigo Crasso. No entanto, o lado esquerdo seguiu território de Feijão. Igor salvou bola em cima da linha em ataque do ágil 7 do Iguaçu. Rodrigão defendeu também uma ótima cobrança de falta de Luisinho Netto.

Aos 18 minutos, Juninho sacou Alex Pinhais e colocou Igor. Depois, aos 20, teve a perda de Tonton, lesionado, para a entrada de Léo Gago. Foi quando, aos 22 minutos, as substituições renderam efeito. Léo Gago lançou Igor pela esquerda, que apostou corrida com o zagueiro Igor. Na contenda de xarás, o camisa 9 do Iguaçu levou a melhor, colocou na frente e bateu na saída de Rodrigão, abrindo o marcador.

Sem a vantagem que o empate concedia, o Trieste teve de sair para o jogo e, a exemplo da semana anterior, começaram a aparecer os espaços para o jogo de Hideo.

Aos 33 minutos, o Iguaçu conquistou um escanteio na direita. Luisinho Netto cobrou no meio da área e a bola chegou na cabeça mais iluminada da tarde, a do centroavante Igor, livre de marcação, para escolher o canto esquerdo de Rodrigão. O título virou questão de tempo.

No entanto, o time do Iguaçu sofreu dois reveses. O primeiro, logo após o jogo, foi a grave lesão de Feijão, uma fratura no tornozelo. O segundo, foi aos 40 minutos, quando Igor, novamente, sofreu pênalti, mas Marcelo Tamandaré bateu e Rodrigão buscou no canto direito. Um terceiro gol daria mais tranquilidade ainda ao Galo da Colônia, mas acabou não fazendo falta na tarde mágica de Igor de do fim de um tabu que durava metade da história do clube: a falta de bicampeonatos.

Rodrigo Batata, do Trieste, com 16 gols, foi o artilheiro da competição. Rodrigo do Iguaçu ganhou o prêmio de goleiro menos vazado com quatro gols sofridos em 11 jogos. Ele, que ficou no banco na partida, fez questão de dividir as honras com o outro goleiro da equipe, Felipe, com quem alternou a titularidade em sistema de revezamento durante a competição.

Após a festa, uma queima de fogos no gramado de cerca de 20 minutos, de fazer inveja a muito reveillón de cidade grande. E a festa no Egydio Ricardo Pietrobelli foi madrugada adentro…

Nos juvenis, Trieste é campeão invicto

Com 16 vitórias e 2 empates, o Trieste venceu a Suburbana Juvenil

Após dois empates, o Trieste venceu a terceira partida da decisão da Suburbana Juvenil contra o Vila Sandra e conquistou de maneira invicta a competição. Aramis, de pênalti, fez o único gol da partida.

“Agradecemos diretoria, ao Rafael Stival, principalmente aos atletas, campanha maravilhosa e invicta”, disse o técnico Danilo Candelore do Trieste. “Eu me recuperei bastante. Conseguir superar bem treinar e jogar este jogo grande. Oportunidade de fazer o gol e agradecer a Deus por tudo isso”, analisou o meia Aramis, autor do gol, que não jogou a partida anterior com uma lesão nas costas. “O time jogou bem. Para mim já é uma honra ter chego ao segundo lugar. Terminamos de cabeça erguida”, afirmou o goleiro Alex do Vila Sandra.

Aramis converte o pênalti que valeu título ao Trieste juvenil

Mais uma vez, Trieste e Vila Sandra fizeram uma grande partida. Sem Luquinhas, com o terceiro amarelo, o Vila Sandra tentou criar com Patrick e Leandro lançando primeiro Baiano e depois Jamaica em velocidade. No time do do Trieste, Ramón, Aramis e Willian Gabiru dividiram o protagonismo.

Jogando pelo empate, o Trieste deu muito trabalho ao goleiro Alex, que fez pelo menos quatro grandes defesas na partida.

Aos 28 do segundo tempo, o árbitro Thiago Mendes Moreira marcou um pênalti bastante reclamado pelo time do Vila Sandra. Coube a Aramis converter a cobrança e dar a tranquilidade necessária para o título triestino.

Além da taça, o Trieste conquistou dois prêmios individuais. O goleiro Júnior foi o menos vazado da competição e o centroavante Pedro Portela foi o artilheiro com 17 gols marcados.

Ficha Técnica

Trieste 0 x 2 Iguaçu

Estádio Egydio Ricardo Pietrobelli, Butiatuvinha, Curitiba

Trieste: Rodrigão; Neto, Igor, César Romero e William Balsa (Rodrigo Crasso); Edson Grilo, Orlei (Bodão), Danilo (Bruninho) e Marquinhos Lima; Bruno Batata e Marquinhos Cambalhota (Eduardo Salles). Técnico: Ivo Petry.

Iguaçu: Felipe; Luisinho Netto, Dudu, Emerson e Tonton (Léo Gago); Douglas, Helton, Feijão (Herick) e Hideo; Marcelo Tamandaré e Alex Pinhais (Igor). Técnico: Juninho.

Arbitragem: Paulo Roberto Alves Jr., Ivan Carlos Bohn, André Luiz Severo.

Gols: Igor (IGU, aos 22’/2.º, aos 33’/2.°).

Cartões Amarelos: Neto, César Romero, Danilo, Orlei, Rodrigo Crasso (TRI); Dudu, Léo Gago (IGU).

Confira imagens das partidas:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Leave a Comment

Filed under Futebol Alternativo, Metrópole adentro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *