Sobrevivente, Combate Barreirinha vence nos pênaltis a Suburbana Juvenil

Capitão do Combate Barreirinha e fundamental nos pênaltis, o goleiro Matheus levanta a taça de campeão
Capitão do Combate Barreirinha e fundamental nos pênaltis, o goleiro Matheus levanta a taça de campeão

O ano de 2014 foi péssimo para o time adulto do Combate Barreirinha. Lanterna da competição e rebaixado já na penúltima rodada da 1.ª fase, o tradicional time de tantos títulos terá de jogar a Segundona da Suburbana de 2015. Como alento, o Tricolor da Barreirinha poderá renovar sua equipe com os campeões da Suburbana na categoria juvenil, que reúne atletas sub-18. O título veio após vitória nos pênaltis sobre o Novo Mundo por 3 a 2, na tarde deste sábado (13), no Bortolo Gava, na preliminar da segunda partida da decisão da Suburbana entre Operário Pilarzinho e Nova Orleans.

No tempo normal, o Combate, que havia vencido a ida na casa do Novo Mundo por 1 a 0, gol de Fábio, viu o resultado ser devolvido com gol de Sauer, para o Novo Mundo, aos 14 minutos do 2.º tempo. Na marca da cal, o Combate chegou a estar perdendo por 2 a 0, mas duas defesas de Matheus ajudaram ao time do Extremo Norte de Curitiba a levar a taça.

Viradas

A virada na decisão dos pênaltis não foi a única do Combate Barreirinha na competição. Nas semifinais, o clube foi eliminado em campo ao perder duas vezes para o Trieste por 1 a 0 e 2 a 0. Porém, o time de Santa Felicidade errou as contas dos cartões e escalou um jogador que estava suspenso, perdendo seis pontos e a vaga na decisão. Renascido, o Combate Barreirinha partiu para o título.

Suécia, Prudentópolis e Barreirinha

O Combate usou de uma forma de comando que pode parecer estranha, mas já foi usada até em Copa do Mundo: dois técnicos. A Suécia tinha Lars Lars Lagerbäck e Tommy Söderberg na casamata na Copa de 2002. Mais regional foi o Prudentópolis em sua boa campanha no Paranaense deste ano, com Ivair Cenci e Joel Preissner dividindo a responsabilidade no comando. O Combate Barreirinha foi campeão com dois técnicos orientando o time simultaneamente: Eliseu e Dedé.

Romênia da Suburbana

Por serem atletas nascidos em 1997, 1998 e 1999, alguns não eram nascidos, mas o  Novo Mundo, vice-campeão, repetiu uma fórmula da seleção romena de 1998: o descolorimento capilar. A maior parte dos atletas e até membro da comissão técnica adotou o platinado na cabeça. A combinação chamou a atenção no uniforme vermelho do time da Zona Sul, que guardou semelhanças com um dos uniformes do time romeno.

 

Confira as imagens da partida

Este slideshow necessita de JavaScript.

About the author

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: