Monthly Archives: Janeiro 2017

Placar da Rodada – Paranaense 2017

1.ª Fase – 1.ª Rodada

Jogo de Sábado

J. Malucelli 3 x 0 FC Cascavel

Gols: Getterson (2), Thomas (JMA).

Jogos de Domingo

Cianorte 1 x 0 Coritiba

Gols: Vinícius (CIA)

PSTC 1 x 1 Toledo

Gols: Carlos Henrique (PSTC); Falver (TEC).

Londrina 1 x 1 Prudentópolis

Gols: Lucas Machado (LEC); Edu Raposa (PRU).

Rio Branco 1 x 1 Atlético

Gols: Darlan (RBR); Matheus Anjos (CAP)

Paraná 5 x 0 Foz do Iguaçu

Gols: Ígor, Zezinho, Alex Santana, Rayan, Bruno Catanhede (PRC).

 

Números

Jogos na rodada: 6

Gols na rodada: 15

Média de gols: 2,5

Jogos na competição: 6

Gols na competição: 15

Média de gols: 2,5

 

Classificação

1.º Paraná – 3 pts – 1 vitória – saldo +5

2.º J. Malucelli – 3 pts – 1 vitória – saldo +3

3.º Cianorte – 3 pts – 1 vitória – saldo +1

4.° Atlético – 1 pt – 0 vitórias – saldo 0 – 1 gol pró

4.º Londrina – 1 pt – 0 vitórias – saldo 0 – 1 gol pró

4.º Prudentópolis – 1 pt – 0 vitórias – saldo 0 – 1 gol pró

4.º PSTC – 1 pt – 0 vitórias – saldo 0 – 1 gol pró

4.º Rio Branco – 1 pt – 0 vitórias – saldo 0 – 1 gol pró

4.º Toledo – 1 pt – 0 vitórias – saldo 0 – 1 gol pró

10.º Coritiba – 0 pts – 0 vitórias – saldo -1

11.º FC Cascavel – 0 pts  – 0 vitórias – saldo -3

12.º Foz do Iguaçu – 0 pts – 0 vitórias – saldo -5 

 

Artilharia

2 gols

Getterson (JMA)

1 gol

Matheus Anjos (CAP)

Vinícius (CIA)

Tomas (JMA)

Lucas Machado (LEC)

Ígor, Zezinho, Alex Santana, Rayan, Bruno Catanhede (PRC)

Edu Raposa (PRU)

Carlos Henrique (PSTC)

Darlan (RBR)

Falver (TEC)

 

Próximos jogos

1.ª Fase – 2.ª Rodada

Quarta-feira (01/02)

20 h – PSTC x Prudentópolis @ Ubirajara Medeiros, Cornélio Procópio

20 h – Foz do Iguaçu x J. Malucelli @ ABC, Foz do Iguaçu

20 h – FC Cascavel x Coritiba @ Olímpico Regional, Cascavel

Quinta-feira (02/02)

20 h – Paraná x Cianorte @ Vila Capanema, Curitiba

Quarta-feira (15/02)

20 h – Londrina x Rio Branco @ Café, Londrina

Sem data definida

20 h – Atlético x Toledo @ Arena da Baixada, Curitiba

Leave a Comment

Filed under Numeralhas

Confira os jogos da 1.ª Rodada do Paranaense 2017

1.ª Fase – 1.ª Rodada

Sábado (28/01)

17 h – J. Malucelli x FC Cascavel @ Janguito Malucelli, Curitiba

Domingo (29/01)

17 h – Cianorte x Coritiba @ Albino Turbay, Cianorte

17 h – PSTC x Toledo @ Ubirajara Medeiros, Cornélio Procópio

17 h – Londrina x Prudentópolis @ Café, Londrina

17 h – Rio Branco x Atlético @ Estradinha, Paranaguá

17 h – Paraná x Foz do Iguaçu @ Vila Capanema, Curitiba

 

Confira como ficou nosso guia

2 Comments

Filed under Numeralhas

Guia do Paranaense 2017

Retornando às nossas atividades, está no ar o Guia do Paranaense 2017, competição que a princípio cobriremos por meio de Placar da Rodada. Este guia sairá também no Blog do Alexandre Silva, de Minas Gerais. Vamos time a time com a preparação e depois um panorama sobre a fórmula e os campeões na história. A competição começa no dia 29 de janeiro. Apertem os cintos!

Atlético Paranaense

Grafite, reforço atleticano, junta-se a Paulo André. Dupla de experientes volta atuar juntos após uma década. (Foto: Marco Oliveira / Site Oficial do CAP)

Nome Completo: Clube Atlético Paranaense

Fundação: 26 de março de 1924

Cidade: Curitiba

Estádio: Joaquim Américo Guimarães (Arena da Baixada), 40.305 lugares (segundo Corpo de Bombeiros no site da FPF)

Títulos: Campeonato Brasileiro Série A: 1 (2001); Seletiva para a Libertadores 2000: 1 (1999); Campeonato Brasileiro Série B: 1 (1995); Campeonato Paranaense: 23 (1925, 1929, 1930, 1934, 1936, 1940, 1943, 1945, 1949, 1958, 1970, 1982, 1983, 1985, 1988, 1990, 1998, 2000, 2001, 2002 (SuperCampeonato), 2005, 2009, 2016.

Último ano: Campeão.

Técnico: Paulo Autuori.

Destaques: Grafite (A), Weverton (G) e Carlos Alberto (M).

Panorama: A temporada começa cedo para o Furacão, que encarará a Libertadores a partir da Segunda Fase, que é eliminatória. A chegada ou não à fase de grupos poderá influenciar primeiro no ambiente da equipe e depois da disponibilidade de atletas em datas próximas aos jogos. Para isso, o Rubro-Negro conseguiu manter boa parte da equipe que foi bem no Brasileirão do ano passado e trouxe alguns reforços interessantes como o veterano Grafite (A, Santa Cruz), o jovem Felipe Gedoz (M/A, Clube Brugge) e Jonathan (LD, Fluminense). Além disso, uma aposta arriscada em Carlos Alberto, meia de talento tão reconhecido quanto o histórico de confusões. De baixa considerável, a venda do volante Hernani para o Zenit da Rússia.

Palpitômetro: Briga pelo título.

 

Cianorte

Familiares do goleiro Danilo, morto no acidente aéreo da Chapecoense, recebem homenagem do Cianorte antes de amistoso com o PSTC. Camisa 1 não será usada na temporada (Foto: Martins Neto / Assessoria de Imprensa do Cianorte)

Nome Completo: Cianorte Futebol Clube

Fundação: 13 de fevereiro de 2002

Cidade: Cianorte

Estádio: Albino Turbay, 2.200 lugares (segundo laudo da PM no site da FPF).

Títulos: Campeonato Paranaense – 2.ª Divisão: 1 (2016)

Último ano: Campeão da Segundona.

Técnico: Marcelo Caranhato

Destaques: Eduardinho (M), Jovane (V), Rafael Xavier (M).

Panorama: O Cianorte volta à elite após duas temporadas de ausência. O Leão do Vale tem investido bastante na formação e prospecção de jovens atletas. No entanto, perdeu dois atletas emprestados no acidente aéreo que vitimou a Chapecoense: o lateral-direito Gimenez e o atacante Thiaguinho, fundamentais no acesso. Foi em Cianorte que nasceu uma das mais célebres vítimas do acidente aéreo, o goleiro Danilo, que começou a carreira no clube da cidade. Por isso, o Leão do Vale não usará a camisa 1 no Paranaense. Outro morto com ligação com o clube foi o técnico Caio Júnior, que surgiu nacionalmente como treinador comandando a surpreendente equipe que quase eliminou o Corinthians na Copa do Brasil de 2005.

Palpitômetro: Luta para chegar ao mata-mata.

 

Coritiba

O zagueiro Werley é um dos reforços confirmados pelo Coritiba para a temporada (Foto: Site Oficial do Coritiba)

Nome Completo: Coritiba Foot Ball Club

Fundação: 12 de outubro de 1909

Cidade: Curitiba

Estádio: Major Antônio Couto Pereira, 40.502 lugares (segundo laudo dos Bombeiros no site da FPF).

Títulos: Campeonato Brasileiro Série A: 1 (1985); Campeonato Brasileiro Série B: 2 (2007, 2010); Campeonato Paranaense: 37 (1916, 1927, 1931, 1933, 1935, 1939, 1941, 1942, 1946, 1947, 1951, 1952, 1954, 1956, 1957, 1959, 1960, 1968, 1969, 1971, 1972, 1973, 1974, 1975, 1976, 1978, 1979, 1986, 1989, 1999, 2003, 2004, 2008, 2010, 2011, 2012, 2013.

Último ano: vice-campeão

Técnico: Paulo César Carpegiani.

Destaques: Wilson (G), Kléber Gladiador (A), Henrique Almeida (A).

Panorama: Atual vice-campeão e único time a jogar todos os estaduais até hoje, o Coritiba quer voltar a vencer após quatro anos e aumentar a vantagem sobre seus rivais. Para isso, aposta na experiência do goleiro Wilson e do atacante Kléber Gladiador, e torce para que o colombiano Filigrana volte a mostrar a veia goleadora que o fez surgir bem no exterior. Além disso, o Coxa repatriou o atacante Henrique Almeida. O elenco é realmente uma mescla de experiência com a expectativa de que jovens como o zagueiro Walisson Maia continuem correspondendo. A cereja do bolo, em negociação, é a possibilidade da vinda de Ronaldinho Gaúcho, que faria o time subir de patamar técnico e midiático.

Palpitômetro: Briga pelo título.

 

FC Cascavel

Nome Completo: Futebol Clube Cascavel

Fundação: 23 de janeiro de 2008.

Cidade: Cascavel

Estádio: Olímpico Regional Prof. Arnaldo Bussato, 9.999 lugares (segundo laudo da PM no site da FPF)

Títulos: Campeonato Paranaense – 2.ª Divisão: 1 (2014).

Último ano: 9.º colocado

Técnico: Karmino Colombini

Destaques: Léo Maringá (M), Vinícius (G), Henrique (Z).

Panorama: O time do FC Cascavel é uma incógnita. Com remanescentes do ano passado, o time terá de fazer mais do que a campanha em que esteve ameaçado pela degola. O ponto de partida foi a continuidade de Karmino Colombini no comando da equipe. Curiosamente, o FC Cascavel enfrentará seu fundador pela primeira vez: o ex-lateral Belletti, hoje diretor internacional do Coritiba. O pentacampeão não tem vínculo com a equipe que criou na cidde natal desde 2013.

Palpitômetro: Briga pela permanência, podendo beliscar uma das últimas vagas no mata-mata.

 

Foz do Iguaçu

Nome Completo: Foz do Iguaçu Futebol Clube

Fundação: 9 de fevereiro de 1996

Cidade: Foz do Iguaçu

Estádio: ABC, 5.000 lugares (segundo laudo da PM no site da FPF)

Títulos:

Último ano: 7.º colocado

Técnico: Allan Aal

Destaques: João Guilherme (M), Juninho (G), Bruno Flores (M)

Panorama: Ano passado, o Foz foi para as quartas de final com um time cheio de garotos. Este ano, a intenção é repetir a receita, fruto de orçamento apertado. Para isso, o clube está desde dezembro até o começo de fevereiro fazendo seletivas para montar o elenco. Parte dos jogadores deverão ser remanescentes da Copa FPF Sub-23, como os colocados como destaque. Curiosamente, este Foz do Iguaçu do futebol masculino não é o mesmo clube do Foz Cataratas, destaque do futebol feminino nacional e sul-americano.

Palpitômetro: Briga pela permanência.

 

J. Malucelli

Jotinha em treino no Ecoestádio: equipe tem caras bem conhecidas do público estadual (Foto: Assessoria de Imprensa do J. Malucelli)

Nome Completo: J. Malucelli Futebol S/A

Fundação: 27 de dezembro de 1994 (ainda como Malutrom)

Cidade: Curitiba

Estádio: Ecoestádio Janguito Malucelli, 2.000 lugares (segundo laudo dos Bombeiros no site da FPF)

Títulos: Campeonato Brasileiro Série C (Módulo Verde e Branco da Copa João Havelange): 1 (2000), Campeonato Paranaense – 2.ª Divisão: 1 (1998).

Último ano: 5.º colocado.

Técnico: Luciano Gusso.

Destaques: Eltinho (LE), Getterson (A), Tomas (M).

Panorama: O J. Malucelli vem para o Paranaense mais uma vez com elenco interessante. Permanecem da temporada passada bons nomes como o lateral-esquerdo Eltinho e o meia Tomas, além de Getterson, meia-atacante pivô de uma polêmica na temporada passada, quando quase assinou com o São Paulo, mas foi descartado porque foram descobertos tuítes corintianos em uma conta inativa do atleta. O jogador acabou passando um semestre emprestado ao Dallas FC da MLS.

Palpitômetro: Passa de fase e tem cacife para brigar por vaga nas semifinais.

 

Londrina

Germano, em destaque, é o líder do time do Londrina (Foto: Rafael Ribeiro / Londrina Esporte Clube)

Nome Completo: Londrina Esporte Clube

Fundação: 5 de abril de 1956

Cidade: Londrina

Estádios: Vitorino Gonçalves Dias (VGD), 5.500 lugares (segundo laudo da PM no site da FPF); Jacy Scaff (Estádio do Café), 28.000 lugares (segundo laudo da PM no site da FPF).

Títulos: Campeonato Brasileiro – Série B: 1 (1980); Campeonato Paranaense: 4 (1962, 1981, 1992, 2014); Campeonato Paranaense – 2.ª Divisão: 3 (1997, 1999, 2011).

Último ano: 6.º colocado.

Técnico: Claudio Tencati.

Destaques: Germano (V), Celsinho (M), França (V).

Panorama: O Londrina tem Claudio Tencati como técnico 2011, algo impressionante no imediatista futebol brasileiro. Nos últimos anos, o Tubarão subiu de parâmetro, voltando ao status de força do interior que teve em vários momentos da história, participando de competições nacionais e quase subiu à Série A. O elenco passa por reformas, como a aposentadoria de Itamar e as saídas de vários atletas, mas ainda funciona em torno de uma base que foi se alterando gradualmente na última década.

Palpitômetro: Briga por título, mas sem todo o favoritismo.

 

Paraná

Paraná fez jogo-treino contra o Joinville: juventude é a aposta tricolor (Foto: Paraná Clube)

Nome Completo: Paraná Clube

Fundação: 19 de dezembro de 1989

Cidade: Curitiba

Estádios: Durival Britto e Silva (Vila Capanema), 15.940 lugares (segundo laudo da PM no site da FPF); Erton Coelho de Queiroz (Vila Olímpica), 500 lugares (segundo laudo dos Bombeiros no site da FPF).

Títulos: Campeonato Brasileiro Série B: 2 (1992, 2000 [Módulo Amarelo da Taça João Havelange];  Campeonato Paranaense: 7 (1991, 1993, 1994. 1995. 1996, 1997, 2006); Campeonato Paranaense – 2.ª Divisão: 1 (2012).

Último ano: 3.º colocado.

Técnico: Wagner Lopes

Destaques: Marcos (G), Diego Tavares (LD/M), Matheus Carvalho (A).

Panorama: Após mais uma temporada de jejum e com a pior campanha na Série B desde que descendeu a ela, o Paraná vem com uma reformulação bastante razoável para a temporada 2017. Capitaneado pelo experiente goleiro Marcos, o Tricolor tem um time recheado de jovens jogadores e deverá ter durante a temporada a presença de gente subida da base. Um curioso tabu pode dar esperança ao torcedor paranista mais supersticioso: toda vez que Rafael Greca foi prefeito de Curitiba, o Tricolor foi campeão estadual. Isto aconteceu em 1993, 1994, 1995 e 1996. Greca voltou ao comando da cidade em janeiro.

Palpitômetro: Briga por título, mas sem todo o favoritismo.

 

Prudentópolis

Orçamento curto e criatividade: apostas do Prudentópolis no retorno à elite (Foto: Lucas Henrique / Prudentópolis Futebol Clube)

Nome Completo: Prudentópolis Futebol Clube

Fundação: 1.º de setembro de 2007 (como Serrano Centro-Sul)

Cidade: Prudentópolis

Estádio: Newton Agibert, 3.000 lugares (segundo laudo da PM no site da FPF)

Títulos: Campeonato Paranaense – 2.ª Divisão: 1 (2009); Campeonato Paranaense – 3.ª Divisão: 1 (2008).

Último ano: Vice-campeão da Segundona.

Técnico: Milton do Ó.

Destaques: Lito (LD), Cícero (V), Wagner Líbano (M).

Panorama: O Prudentópolis ascendeu pela terceira vez à elite paranaense. O objetivo do clube é não cair pela terceira vez, repetindo o feito de 2014, quando conseguiu se manter e fez uma boa campanha. A equipe é uma mescla de atletas do acesso com algumas caras rodadas no futebol paranaense, como o lateral Lito. No banco, um famoso: Milton do Ó, ex-zagueiro de Paraná, Atlético, Fluminense, entre outros.

Palpitômetro: Briga pela permanência.

 

PSTC Procopense

Goleiro Vítor em sua apresentação ao PSTC: por motivos religiosos, atleta não atuará aos sábados (Foto: Flavia Cheganças / PSTC)

Nome Completo: Paraná Soccer Technical Center

Fundação: 15 de agosto de 1994.

Cidade: Cornélio Procópio

Estádio: Ubirajara Medeiros, 2.228 lugares (segundo laudos de PM e Bombeiros no site da FPF)

Títulos:  

Último ano: 4.º colocado

Técnico: Reginaldo Vital

Destaques: Rone Dias (M), Federico Miño (A), Vitor (G).

Panorama: O PSTC foi o estreante da temporada passada e surpreendeu. Neste ano, terá o desafio de manter o nível e conciliar o estadual com a Copa do Brasil e depois a Série D. A receita é uma mescla dos garotos revelados pelo clube, um dos maiores reveladores do país (Rafinha, Kléberson, Jadson, Fernandinho, entre outros). Desde 2010, o PSTC disputa competições profissionais. Antes disso, quando não obrigado, jogava apenas as competições de base. A parceria mais prolífica foi com o Atlético, entre o fim dos anos 90 e o fim da década passada. Um elemento curioso do plantel é o goleiro Vítor, ex-Londrina, que não atuará aos sábados por motivos religiosos.

Palpitômetro: Passa de fase e tem cacife para brigar por vaga nas semifinais.

 

Rio Branco

Rio Branco aposta na mística da Estradinha reformada para ir além do papel de coadjuvante (Foto: Facebook Oficial do Rio Branco)

Nome Completo: Rio Branco Sport Club

Fundação: 13 de outubro de 1913

Cidade: Paranaguá

Estádios: Nelson Medrado Dias (Estradinha), 5.000 lugares (capacidade estimada); Fernando Charbud Farah (Caranguejão), 7.781 lugares (segundo laudo dos Bombeiros no site da FPF).

Títulos: Campeonato Paranaense – 2.ª Divisão: 1 (1995).

Último ano: 10.º colocado.

Técnico: Guilherme Macuglia.

Destaques: Camargo (M), Bruno Andrade (A), Romário (LD).

Panorama: Terceira equipe na ativa mais antiga do estado, o Rio Branco tem um cartel impressionante ao ser, fora a dupla Atletiba, o time com mais participações consecutivas na elite na atualidade: desde 1996, muitas vezes flertando com a degola, caso das duas últimas temporadas. Imortalidade à parte, o Leão da Estradinha apostou no experiente técnico Guilherme Macuglia e pretende voltar a jogar na Estradinha, antigo estádio em que não atua há mais de uma década, um alçapão em que tinha melhores resultados. No entanto, até o momento em que este guia é escrito, as partidas da equipe seguem agendadas no site da FPF para o Caranguejão.

Palpitômetro: Briga pela permanência.

 

Toledo

O mascote Teco posa com o técnico Rodrigo Cascca: aposta no marketing e no envolvimento com a comunidade para alavancar o Toledo a novos níveis (Foto: Facebook Oficial do Toledo)

Nome Completo: Toledo Esporte Clube

Fundação: 10 de fevereiro de 2004 (como Toledo Colônia Work)

Cidade: Toledo

Estádio: 14 de Dezembro, 9.999 lugares (capacidade limitada por falta de câmeras)

Títulos: Campeonato Paranaense – 2.ª Divisão: 1 (2007).

Último ano: 8.º colocado

Técnico: Rodrigo Cascca

Destaques: Carlão (LE), Thiago Araújo (LD), Weverton Gomes (A).

Panorama: O Toledo mudou de nome no ano passado, adotando um nome igual a um dos antigos clubes da cidade. Junto a isso, o Porco começou uma campanha de marketing forte na região e tem um patrocinador de peso, o grupo BRF. O elenco mescla alguns nomes conhecidos do cenário estadual, como os destaques acima, com algumas novidades e atletas vindos da base.

Palpitômetro: Briga por vaga no mata-mata.

 

O regulamento:

As doze equipes disputam a primeira fase em turno único, com os oito primeiros se classificando para o mata-mata e os dois últimos caindo para a Segundona de 2018. No mata-mata, as equipes se enfrentam em ida e volta, com pênaltis em caso de empate após 180 minutos. Os cruzamentos são os seguintes até a decisão:

1º x 8º

(cruza nas semifinais)

4º x 5º

(cruza na final)

2º x 7º

(cruza na final)

3º x 6º

Os dois melhores times não sediados em Curitiba e que ficarem de fora da final disputarão o Título do Interior, com sistema idêntico à decisão do campeonato.

 

Lista de campeões:

1915 – Internacional

1916 – Coritiba

1917 – América

1918 – Britânia

1919 – Britânia

1920 – Britânia

1921 – Britânia

1922 – Britânia

1923 – Britânia

1924 – Palestra Itália

1925 – Atlético Paranaense

1926 – Palestra Itália

1927 – Coritiba

1928 – Britânia

1929 – Atlético Paranaense

1930 – Atlético Paranaense

1931 – Coritiba

1932 – Palestra Itália

1933 – Coritiba

1934 – Atlético Paranaense

1935 – Coritiba

1936 – Atlético Paranaense

1937 – Ferroviário

1938 – Ferroviário

1939 – Coritiba

1940 – Atlético Paranaense

1941 – Coritiba

1942 – Coritiba

1943 – Atlético Paranaense

1944 – Ferroviário

1945 – Atlético Paranaense

1946 – Coritiba

1947 – Coritiba

1948 – Ferroviário

1949 – Atlético Paranaense

1950 – Ferroviário

1951 – Coritiba

1952 – Coritiba

1953 – Ferroviário

1954 – Coritiba

1955 – Monte Alegre

1956 – Coritiba

1957 – Coritiba

1958 – Atlético Paranaense

1959 – Coritiba

1960 – Coritiba

1961 – Comercial de Cornélio Procópio

1962 – Londrina

1963 – Grêmio Maringá

1964 – Grêmio Maringá

1965 – Ferroviário

1966 – Ferroviário

1967 – Água Verde

1968 – Coritiba

1969 – Coritiba

1970 – Atlético Paranaense

1971 – Coritiba

1972 – Coritiba

1973 – Coritiba

1974 – Coritiba

1975 – Coritiba

1976 – Coritiba

1977 – Grêmio  Maringá

1978 – Coritiba

1979 – Coritiba

1980 – Colorado  e Cascavel EC

1981 – Londrina

1982 – Atlético Paranaense

1983 – Atlético Paranaense

1984 – Pinheiros

1985 – Atlético Paranaense

1986 – Coritiba

1987 – Pinheiros

1988 – Atlético Paranaense

1989 – Coritiba

1990 – Atlético Paranaense

1991 – Paraná Clube

1992 – Londrina

1993 – Paraná Clube

1994 – Paraná Clube

1995 – Paraná Clube

1996 – Paraná Clube

1997 – Paraná Clube

1998 – Atlético Paranaense

1999 – Coritiba

2000 – Atlético Paranaense

2001 – Atlético Paranaense

2002 – Iraty (campeonato sem os participantes da Sul Minas) e Atlético Paranaense (Supercampeonato)

2003 – Coritiba

2004 – Coritiba

2005 – Atlético Paranaense

2006 – Paraná Clube

2007 – Paranavaí

2008 – Coritiba

2009 – Atlético Paranaense

2010 – Coritiba

2011 – Coritiba

2012 – Coritiba

2013 – Coritiba

2014 – Londrina

2015 – Operário

2016 – Atlético Paranaense

Leave a Comment

Filed under Metrópole adentro