Direto do baú: a relação entre os times brasileiros e o MC Hammer

A música deste single trouxe muito sucesso e dinheiro para o MC Hammer
A música deste single trouxe muito sucesso e dinheiro para o MC Hammer

A temporada do futebol profissional brasileiro se encerrou e o cenário visto pelo lado financeiro é catastrófico. Boa parte das equipes enfrentam problemas financeiras e atrasam pagamentos. A situação poderia estar pelo menos amenizado se os clubes tivessem sido menos perdulários quando tiveram mais dinheiro em mãos. É sobre isso, mas de forma mais bem humorada, que abordei a situação em uma coluna rotativa de terça-feira na Gazeta do Povo em maio deste ano. A versão original, que tem um intertítulo sobre o momento dos times paranaenses que não reproduzirei aqui por estar ultrapassado, está neste endereço aqui.

*  *  *

Síndrome de MC Hammer

Publicado em 13/05/2014 | Leonardo Bonassoli

A situação financeira dos clubes brasileiros de futebol lembra muito a de um famoso rapper do começo dos anos 90 do século passado. MC Hammer, nascido Stanley Kirk Burrell, ficou famoso pelo hit U Can’t Touch This e pelas danças usando uma indefectível calça saruel.

Com o grande hit, Hammer ganhou muito dinheiro e resolveu experimentar a vida de rico. Os times brasileiros, ao negociar novos contratos de televisionamento, com o dinheiro brasileiro também forte, também resolveram viver a vida de rico.

Hammer comprou em 1991 uma mansão de US$ 30 milhões de dólares e montou uma grande equipe para cuidar de toda a manutenção. Isso chegou a consumir US$ 500 mil por mês com cerca de 200 pessoas. Os clubes começaram a contratar jogadores por valores inimagináveis, pagando salários nunca antes pagos. Leandro Damião e Alexandre Pato custaram cerca de R$ 40 milhões tanto para Santos quanto para Corinthians, não dando até o momento o retorno esperado. Pato, inclusive, foi emprestado ao São Paulo por não se adaptar ao time do Parque São Jorge.

E como isso acabou? A carreira do MC Hammer desandou, não fazendo mais nenhum hit arrasa-quarteirão que o ajudasse a sustentar o estilo de vida perdulário. Em 1996, ele tinha acumulada uma dívida de US$ 13 milhões e teve de pedir falência (a lei dos Estados Unidos, ao contrário do Brasil, permite que pessoas decretem falência). Ele lançou alguns álbuns depois disso, mas sem impacto.

Em 2014, o dinheiro do futebol brasileiro foi embora, pois a maioria dos clubes adiantou as cotas de tevê e gastou como se não houvesse amanhã. Como não o futebol não é uma ciência exata, elencos caros nem sempre vencem e pior, não dão o mesmo retorno em vendas.

As equipes, em sua maioria, tinham problemas financeiros antes do crescimento de receitas e preferiram tentar ganhar campeonatos a qualquer custo a limpar a lousa das dívidas. Agora passam com o pires na mão pedindo ajuda ao governo com parcelamento ou perdão de dívidas. U Can’t Touch This.

About the author

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: