Novo empate prolonga decisão entre Iguaçu e Operário Pilarzinho; Vila Hauer é campeão juvenil

Nenhum gol na decisão entre Iguaçu e Operário: no empate levou a decisão para a terceira partida

E ficou para a próxima semana. Iguaçu e Operário Pilarzinho empataram de volta, agora por 0 a 0, e precisarão de uma terceira partida para definir o título da Suburbana. O jogo deste sábado (7) no Egydio Ricardo Pietrobelli foi marcado pelas poucas chances claras de gol. Agora, as equipes jogam a terceira partida, próximo sábado (14), às 15h30, no mesmo local. Quem vencer leva a taça e um novo empate leva a decisão para os pênaltis.

“Sabia que seria difícil, Iguaçu é forte, qualificado, defesa forte, tentamos criar jogadas para fazer o gol. Infelizmente ou infelizmente, não é mau resultado, vamos para o terceiro jogo, estão de parabéns as duas equipes para fechar um belo campeonato”, disse o volante Aroldo do Operário Pilarzinho. “Terceiro jogo agora. A gente foi muito abaixo de novo, não conseguimos impor nosso jogo. A torcida fez a parte dela e precisamos melhorar”, analisou o lateral-esquerdo do Iguaçu, Victor Tilly.

O jogo

A partida confrontou estilos. O Iguaçu novamente atuou com três zagueiros e investiu em um meio-campo mais forte fisicamente. O Operário Pilarzinho, com um meio-campo mais leve, tentou chegar ao ataque na base do toque de bola e tabelas rápidas, mas pecava na finalização ou ao demorar para finalizar.

O Operário Pilarzinho produziu mais, embora o Iguaçu tenha melhorado quando passou a ter mais jogadores no meio-campo ao mudar o esquema de jogo na segunda etapa. A chance mais próxima de gol acabou sendo do Operário Pilarzinho em cobrança de falta de Bitoca defendida por Filipe. No mais, poucas chances tiveram contundência suficiente para complicar a vida dos goleiros ou decidir a partida e o título.

Aos 47 minutos da etapa final, Helton do Iguaçu foi expulso ao levar o segundo cartão amarelo, deixando sua equipe com dez em campo por poucos minutos e virando desfalque para a decisão.

Vila Hauer vence Capão Raso novamente nos juvenis e é campeão

Em ano que o time adulto caiu, o Vila Hauer conseguiu motivo para sorrir com o time juvenil, que levantou a taça

Na preliminar de juvenis, mais cedo, tivemos gols e campeão. Depois de vencer a ida por 3 a 1, o Vila Hauer venceu novamente o Capão Raso, agora por 2 a 0, e é o campeão da Série A Juvenil da Suburbana. O título veio em um ano em que, de volta à elite após três anos na Série B, o Pantera acabou sendo novamente rebaixado no Adulto, mas que a base dá uma esperança de dias melhores no Donato Gulin. “Esse momento é glorioso. A gente se preparou desde fevereiro. Esses garotos valem ouro. Trabalhamos na areia, treinamos de noite. Agradecemos minha comissão técnica e a Deus por este título”, disse o treinador Policarpo Pereira do Vila Hauer.

Luiz Skibinski, artilheiro absoluto com 20 gols, marcou um dos tentos, enquanto que Jhonny Robert completou o placar. O Capão Raso foi vice-campeão pelo segundo ano seguido, consolidando-se novamente como uma das forças das categorias de base do futebol amador.

Precisando do resultado, o Capão Raso apertou a marcação no primeiro tempo, buscando evitar que o Vila Hauer tivesse a posse de bola por muito tempo. Os destaques do Tricolor de Aço foram o goleiro Cauã, o zagueiro Luir e a dobradinha pela direita formada por Matheus e Alexandre. No time do Vila Hauer, o volante Fabrício esteve muito forte e preciso nos desarmes, Gustavo Chaerki foi o criador de jogadas junto Gustavo Costa. Quando chegava à bola, Skibinski causava transtorno à defesa adversária.

Com o passar do tempo, os espaços aumentaram e Skibinski precisou de dois minutos e dois lances para decidir. No primeiro, aos 31 minutos, chutou forte e a bola contou com desvio na zaga para vencer o goleiro Cauã. No segundo, aos 33 minutos, ganhou da defesa na velocidade e deu de bandeja o gol para Jhonny Robert comemorar e sacramentar o título. Ainda teve tempo, aos 35 minutos para Paulo Edson do Capão Raso e André Luiz do Vila Hauer serem expulsos após entreveiro.

Ficha Técnica:

Iguaçu 0 x 0 Operário Pilarzinho

Iguaçu: Filipe; Emerson, Douglão e Aderaldo (Felipe Caron); Gabriel, Helton, Magu, Wellington Baroni (Nilvano) e Victor Tilly; Alex Pinhais (Roney) e Eric. Técnico: Luisinho Netto.

Operário Pilarzinho: Juninho; Guilherme, Everson, Bruno Alves e Dionata; Aroldo, Robson Baroni (Luciano Tanque), Paulinho e Bitoca (Adriano Sagui); Thomas Guedes e Wesley (Pedro Oldoni). Técnico: Marquinhos Passaúna (suspenso, ficou fora do banco, substituído por Peterson de Freitas).

Arbitragem: Rodolpho Toski Marques, Luciano Roggenbaum, Giovano Marlus de Oliveira Massoquetto.

Cartões Amarelos: Aderaldo, Helton, Felipe Caron (IGU); Juninho, Aroldo, Dionata, Robson Baroni (OPP).

Cartões Vermelhos: Helton (IGU, aos 47’/2.º, dupla advertência); Vinícius Negocek (preparador de goleiros, IGU, após apito final, por reclamação).

Confira imagens das partidas:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: