Tag Archives: SRE Bangu

Baixe o pôster do Bangu, campeão da Copa de Futebol Amador da Capital

Para baixar, você precisa clicar na imagem com o botão direito do mouse e escolher “Salvar Como”. Ou clique com o botão esquerdo, espere carregar completamente e aí clique com o botão direito escolhendo a opção de salvar a imagem. Em celular, clique na imagem, espere abrir e escolha salvar.

Agradecimentos ao técnico Jeferson pela indicação de todos os nomes no pôster:

Leave a Comment

Filed under Futebol Alternativo, Metrópole adentro

Bangu leva a Copa de Futebol Amador com retorno triunfal de artilheiro

O capitão Ricardo ergue a Copa de Futebol Amador da Capital: título veio em vitória com dez em campo e retorno de artilheiro

O Bangu conquistou pela primeira vez a Copa de Futebol Amador da Capital neste sábado (1.º) ao bater o Nova Orleans por 2 a 0 no Maurício Fruet. O título coroou uma campanha que começou bastante irregular, com algumas atuações irreconhecíveis, e culminou em uma arrancada nas rodadas finais com um futebol envolvente e de muita velocidade. Com cinco times podendo ser campeões na rodada final – o próprio Bangu, Uberlândia, Nova Orleans, Palmeirinha e Capão Raso – a taça teve apenas dois donos durante a tarde, com um período de aproximadamente uma hora entre o primeiro gol de Dinda sobre o Grêmio Ipiranga, que daria o título ao Uberlândia, vice pelo segundo ano consecutivo, e o primeiro gol de Luizinho para o Bangu.

Luizinho foi o herói da tarde. O atacante esteve de saída para o Operário Pilarzinho, chegando a treinar na equipe, deixando o time do Bangu sem sua presença nas últimas cinco partidas, ironicamente coincidindo com a reação da equipe na tabela. No entanto, voltou, ficou no banco e entrou no segundo tempo para mudar a partida com os dois gols, selando uma impressionante artilharia da competição com 11 gols em apenas cinco jogos disputados. No entanto, o reencontro com a camisa rubro-negra e as redes, no caso dele quase um sinônimo, pode ter sido uma despedida ou de repente um novo recomeço. “Nós vamos conversar com o presidente neste fim de semana e isso deve definir meu destino”, disse Luizinho após o jogo. “Eu tenho a felicidade com a camisa do Bangu. Joguei em 2013 e fui artilheiro da Série A com 19 gols, voltei em 2016 e fui vice-artilheiro da Série B com 21 gols e agora fui artilheiro desta competição com 11 gols sem jogar cinco jogos. Eu me sinto bem no Bangu, é o que dizem mesmo, chuto de qualquer jeito e a bola entra. Eu me sinto muito bem aqui e me sinto em casa e é o que importa”, afirmou. O avante terá de decidir entre disputar a Série A ou tentar mais uma vez o acesso pelo Rubro-Negro da Zona Oeste.

O título coloca o Bangu, única equipe de Série B da Suburbana que ficou na parte de cima da tabela da competição, como um dos favoritos ao acesso. “Na verdade, nosso objetivo era formar time forte pra a Suburbana. Todos aqui estão no time e temos mais um meia e um zagueiro por vir que não iremos revelar ainda porque tem outros clubes querendo. Nunca digo que somos os favoritos, mas é um bom time para subir. Sabemos que Série B precisa sempre de algo mais. Fizemos um bom elenco e vamos respeitando as outras equipes, pois cada jogo uma história diferente”, disse o técnico Jefferson.

O Bangu fechou a competição com 22 pontos, um a mais que o vice-campeão Uberlândia. O Palmeirinha terminou em terceiro com 20 pontos e 11 gols de saldo, seguido pelo Capão Raso, mesma pontuação e saldo 6. O Nova Orleans fechou em quinto com 17 pontos.

O jogo

Em campo por pouco mais de meia hora, Luizinho resolveu a partida com dois gols

A partida começou com um Nova Orleans ansioso, pois precisava vencer e ainda secar o Uberlândia, errando muitos passes no meio de campo e o Bangu, cuja vitória simples bastava, mas um empate ainda poderia dar o título caso o Uberlândia não vencesse, aproveitando muito bem o corredor esquerdo do ataque. Joãozinho foi o principal nome na criação do meio-campo e o time forçava jogo com o ala Binho Chuchu e o atacante Zanka, dando muito trabalho à defensiva do Orleans. No entanto, faltava alguma contundência para vazar a meta defendida por Yuri.

Nas poucas vezes que o penúltimo passe dava certo, o Nova Orleans esbarrava num trio de zaga bem postado com Diogo, Paulo Sérgio e Samuca, prontos para anular as tentativas de duplo-pivô de Igor e Éderson, um dos pontos fortes do time alviverde.

Numa altura que o Uberlândia já estava na frente do placar no Elba de Pádua Lima, as coisas pareciam se complicar para o Bangu. O empate já não bastava e o zagueiro Diogo foi expulso aos 41 minutos da etapa inicial após segunda falta para cartão amarelo. Com isso, a sobra na zaga do time rubro-negro acabou e os laterais, que faziam bom trabalho ofensivo, tiveram de se retrair, diminuindo o sufoco do Nova Orleans nos flancos de sua defesa.

Pouco mais de 6 km entre os dois estádios em que algum momento a taça teria de ir durante a tarde (Reprodução Google)

O técnico Jefferson colocou Romarinho na segunda etapa. O atacante passou a incomodar o miolo da zaga do Nova Orleans. No entanto, o time alviverde dominou o início da segunda etapa, dando trabalho para o goleiro Ricardo. Porém, a disputa por rebotes na meia-cancha parecia igual, não parecia um duelo de onze contra dez.

Aos 17 minutos, o treinador banguense colocou Luizinho em campo. A primeira bola que o artilheiro pegou foi um sempulo que obrigou o goleiro Yuri a se esticar todo no canto esquerdo para fazer importante defesa.

A segunda bola que Luizinho pegou balançou as redes. Aos 24 minutos, o avante recebeu passe, furou a defesa na velocidade e tocou mansamente com categoria na saída de Yuri. A taça estava voltando para o Bangu no Maurício Fruet.

Enquanto o Nova Orleans corria atrás do empate e desperdiçava muito, especialmente na bola parada, o trio de jogadores com nomes no diminutivo formado pelos velozes Joãozinho, Romarinho e Luizinho causava transtornos à retaguarda num jogo que ficou bastante aberto.

O segundo gol saiu em mais uma das investidas do Bangu em velocidade pelo miolo da zaga do Nova Orleans. Aos 37 minutos, Luizinho arrancou e parou em pênalti cometido pelo goleiro Yuri. O camisa 20 bateu forte e ampliou o placar ao mesmo tempo que chegavam notícias de que Dinda fazia o segundo gol do Uberlândia sobre o Grêmio Ipiranga.

Mesmo com alguma pressão no fim da partida, o Nova Orleans não conseguiu chegar ao gol de honra. Restou o apito final e a festa do Bangu, primeiro time fora do bairro do Novo Mundo a vencer a competição (Capão Raso duas vezes e Novo Mundo já haviam erguido a taça).

Em comum, mas de saída

Entre aquela partida final em dezembro que o Bangu venceu a Suburbana Juvenil Série B e a partida que o time adulto conquistou a Copa de Futebol Amador um personagem em comum. O atacante Neguinho, que naquela partida fez três gols, atuou na primeira etapa da partida deste sábado, sendo substituído no intervalo. O jovem jogador está de saída para o futebol profissional: irá defender as equipes sub-19 e sub-23 do Rio Branco de Paranaguá, devendo disputar a Copa FPF, competição sub-23 que vale vaga na Série D do Brasileirão 2018 e que será disputada neste segundo semestre.

Ficha Técnica:

Nova Orleans 0 x 2 Bangu

Estádio Maurício Fruet, Santa Quitéria, Curitiba

Nova Orleans: Yuri; Leonardo, Du, Márcio e Victor Tilly; Erick (Ricardinho), Wescley (Fininho), Thiago Oliveira e Leomar; Igor e Éderson. Técnico: Alexandre Oliveira.

Bangu: Ricardo; Diogo, Paulo Sérgio e Samuca; Diego, Valdir (Elton), Juninho (Thiago), Joãozinho e Binho Chuchu; Neguinho (Romarinho) e Zanka (Luizinho). Técnico: Jefferson.

Arbitragem: José Mendonça da Silva Jr., Diego Grubba Schitkovski e Eduardo Luis Teixeira Furiatti.

Gols: Luizinho (BAN, aos 24’/2.º, aos 37’/2.º).

Cartões Amarelos: Leonardo, Leomar (UNO); Diego, Diogo, Valdir (BAN).

Cartão Vermelho: Diogo (BAN, aos 41’/1.º, dupla advertência).

Confira as imagens da partida:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Leave a Comment

Filed under Futebol Alternativo, Metrópole adentro

Rodada Final – O que cada um precisa

Quando se anunciou que seria um turno único de pontos corridos e só, imaginou-se o risco da Copa de Futebol Amador da Capital ser decidida antes da rodada final. Ledo engano: a última rodada, neste sábado (1.º) às 15h30, chega com quatro jogos com cinco time podendo erguer a taça. Confira o que cada um precisa para chegar ao feito:

1.º Bangu – 19 pts – 6 vitórias – saldo +13 – 24 gols pró

Enfrenta: Nova Orleans no Maurício Fruet

Combinações para o título: O Bangu é o único que depende de si mesmo. Uma vitória simples garante o título. Em caso de empate, terá de torcer para o Uberlândia não vencer o Grêmio Ipiranga (superaria o Uber no número de vitórias no caso de um empate), e também contra vitórias de Palmeirinha e Capão Raso.

2.º Uberlândia – 18 pts – 5 vitórias – saldo +10 – 27 gols pró

Enfrenta: Grêmio Ipiranga no Elba de Pádua Lima

Combinações para o título: Precisa vencer e torcer para o Bangu não vencer o Nova Orleans.

3.º Nova Orleans – 17 pontos – 5 vitórias – saldo +9 – 22 gols pró

Enfrenta: Bangu no Maurício Fruet

Combinações para o título: Precisa vencer o Bangu e torcer contra vitória do Uberlândia. Além disso, terá de torcer por tropeços de Palmeirinha e Capão Raso ou para que eles simplesmente não façam mais saldo ou superem os gols marcados.

4.º Palmeirinha – 17 pontos – 5 vitórias – saldo +8 – 21 gols pró

Enfrenta: Nacional no XV de Agosto

Combinações para o título: Precisa vencer o Nacional, torcer por tropeço do Bangu e do Uberlândia e para que o Capão Raso não o supere em saldo e gols marcados, caso este também vença. Em caso de empate entre Bangu e Nova Orleans, terá de superar o saldo do Bangu. Em caso de vitória do Nova Orleans sobre o Bangu, terá de superar o saldo do Nova Orleans.

5.º Capão Raso – 17 pontos – 5 vitórias – saldo +5 – 17 gols pró

Enfrenta: Imperial no José Carlos de Oliveira Sobrinho

Combinações para o título: Precisa vencer o Imperial, torcer por tropeços de Bangu e Uberlândia e superar o Palmeirinha no saldo, caso este também vença. Em caso de empate entre Bangu e Nova Orleans, terá de superar o saldo do Bangu. Em caso de vitória do Nova Orleans sobre o Bangu, terá de superar o saldo do Nova Orleans.

Leave a Comment

Filed under Futebol Alternativo, Metrópole adentro, Numeralhas

Em tarde de goleadas, Bangu põe mão na taça e Uberlândia vira o principal desafiante

À esquerda, Bangu faz seis no Shabureya; À direita, Uberlândia faz sete no União Ahu

A tarde deste sábado (24) no Manoel Gustavo Schier foi repleta de gols pela Copa de Futebol Amador da Capital. Um total de 15 bolas na rede em duas partidas. O Bangu, novo líder, bateu o Shabureya por 6 a 0 e é o único time que depende apenas de si mesmo para ser campeão na última rodada. Seu principal desafiante é o Uberlândia, novo vice-líder, que goleou o União Ahu por 7 a 2 e agora precisa secar o Rubro-Nego enquanto tem de fazer sua parte na rodada decisiva.

O Bangu tem 19 pontos e precisa de uma vitória simples sobre o Nova Orleans para ser campeão. Caso empate, terá de torcer para que Uberlândia, Palmeirinha e Capão Raso não vençam. A missão do Uberlândia, 18 pontos, é mais difícil, pois precisa vencer o Grêmio Ipiranga e torcer para que o Bangu não vença o Nova Orleans. Um empate não serve para o Uber, pois há o confronto direto entre Bangu e Nova Orleans. O Nova Orleans, 17 pontos, é o terceiro postulante ao título e precisa vencer o Bangu, torcer contra vitória do Nova Orleans e torcer para que Palmeirinha e Capão Raso não o superem no saldo de gols. O Palmeirinha, 17 pontos, precisa vencer o Nacional, torcer contra vitórias do Uberlândia e do Bangu e ainda superar o saldo do Nova Orleans, caso este vença, e não ser alcançado no saldo pelo Capão Raso. O Capão Raso, 17 pontos, precisa vencer o Imperial, torcer contra Uberlândia e Bangu, e superar no saldo o Nova Orleans e o Palmeirinha, além de tentar se livrar no TJD das acusações de uso irregular de atletas. Dos onze times inscritos, cinco deles chegam à última rodada com alguma chance de título.

A próxima rodada, a última, no próximo sábado (1.°/7), pode ter alterações para alinhar os jogos de disputa de título em um mesmo horário. A princípio, Shabureya x União Ahu, que cumprem tabela e podem cancelar duelo, abrem a jornada no Elba de Pádua Lima, às 13h30. No jogo de fundo, o Grêmio Ipiranga recebe o postulante Uberlândia. No XV de Agosto, Nova Orleans e Bangu têm confronto direto inicialmente marcado para às 13h30, com Nacional e o postulante Palmeirinha fechando a jornada às 15h30. O único jogo solteiro da rodada, a princípio, é entre o postulante Capão Raso e o Imperial no José Carlos de Oliveira Sobrinho. A FPF tem a prerrogativa de alterar os locais e horários dos jogos caso julgue pertinente.

Bangu goleia e depende apenas de si

Na preliminar, o Bangu atropelou o lanterna Shabureya por 6 a 0. Com o tropeço do Nova Orleans, passou a ser o único time que depende de si mesmo para ser campeão.

O primeiro gol da partida foi aos 15 minutos de jogo com Zanka conferindo um bom lançamento.  Aos 17 minutos, o meia Betinho do Bangu teve de ser substituído após lesão aparentemente grave. O camisa torceu fortemente o joelho e precisou de remoção especializada para deixar o campo de jogo.

Aos 30 minutos, Valdir arrematou da entrada da área e aumentou o placar para o Rubro-Negro da Zona Oeste. Joãozinho ampliou aos 47 minutos após boa trama de ataque.

Na segunda etapa, Joãozinho, principal vetor criativo do time do Bangu, fez mais um aos 18 minutos. O Bangu teve relativa facilidade de jogar esticando jogo, qualidade bem explorada pelas características de ser um time bastante leve.

Aos 27 minutos, foi a vez de Romarinho aproveitar sua velocidade e fazer o quinto gol da partida. Ainda deu tempo para Saulinho, aproveitando rebote, aos 44 minutos, fechar o marcador em 6 a 0.

“Estamos felizes, conquistamos ótima vitória. Respeitamos a equipe deles, mas fazendo gols. Dependemos só da gente. Vamos se preparar durante a semana para ver se conseguimos este título para o Bangu”, disse Joãozinho após a partida.

“Time dos caras é bom. Nosso time é bom, não sei o que acontece, mas peca muito no começo e toma um gol atrás do outro. É difícil”, lamentou o meia Mateus do Shabureya.

Uberlândia também cumpre sua missão e vira o principal desafiante

O Uberlândia foi outro a fazer a sua parte. Após vencer o União Ahu por 7 a 2, a equipe da Zona Sul precisa vencer o perigoso time do Grêmio Ipiranga e torcer contra o Bangu na rodada final.O destaque foi o atacante Paulinho, autor de três gols. Durante a semana, nós contaremos e mostraremos a música que ele pediu.

O Uberlândia saiu na frente logo aos 3 minutos com Dinda aproveitando cruzamento rasteiro. Denis ampliou aos 16 minutos de cabeça. Na comemoração, homenageou o filho que vai nascer, colocando a bola sob a camisa.

Foi também de cabeça que Dinda fez o terceiro gol da partida, o segundo dele, aos 25 minutos. O goleiro Joe tentou defender a cabeçada feita em direção ao chão e não conseguiu.

Paulinho fez o primeiro dele no jogo, o quarto da partida, aos 45 minutos do primeiro tempo.

Na segunda etapa, o Uberlândia desacelerou um pouco o jogo. Mesmo assim, chegou ao quinto gol com Paulinho aos 12 minutos e ao sexto com uma cabeçada contra de Luciano aos 14 minutos.

Aos 31 minutos, a partida ganhou uma marca inusitada. Baiano marcou um gol contra a favor do União Ahu. Não é todo dia que vemos dois gols contra num mesmo jogo. A bola foi rebatida, bateu no pé do lateral e encobriu Giraia.

Aos 36 minutos, o goleiro Carlão, que havia substituído Giraia, cometeu pênalti. Bigo bateu forte e diminuiu para o União Ahu.

Fechando a partida, aos 42 minutos, Gaúcho, goleiro improvisado na ponta, cruzou e Paulinho concluiu para fazer sua tripleta e o sétimo do Uberlândia, dono do melhor ataque da competição com 27 gols marcados.

“Um jogo corrido. Time do Ahu com proposta de fechar. Fomos felizes nas finalizações e estamos de parabéns”, disse Paulinho após o jogo.

“Na verdade, a gente fez uma partida que primeiro tempo finalizou um monte e eles finalizam faziam e a gente errava. Foram superiores. Agora é trabalhar que a gente tem uma Suburbana pela frente”, analizou o meia Carlinhos do União Ahu.

Ficha Técnica das Partidas:

Rodada dupla no Estádio Manoel Gustavo Schier, Vila Uberlândia, Novo Mundo

Bangu 6 x 0 Shabureya

Bangu: Ricardo; Ronan (Diego), Diogo, Paulo Sérgio e Anderson; Valdir, Betinho (Neguinho), Samuca (Eltinho) e Joãozinho (Saulinho); Juninho (Foca) e Zanka (Romarinho). Técnico: Jefferson.

Shabureya: Renato; China, Fuchs (Marcão), Bueno e Peter; Harison. Murian, Mateus (Clézio) e Gibson; Coxinha e Felipe (Neguinho). Técnico: Tchesco Falvo.

Arbitragem: Danilo Simão Lagroteria Oliveira Faria, Marco Aurélio dos Santos e Zacarias Chumlak.

Gols: Zanka (BAN, aos 15’/1.º), Valdir (BAN, 30’/1.º), Joãozinho (BAN, aos 47’/1.º, aos 18’/2.º), Romarinho (BAN, aos 27’/2.º), Saulinho (BAN, aos 44’/2.º).

Cartões Amarelos: Diogo (BAN); Peter, Fuchs (SHA).

União Ahu 2 x 7 Uberlândia

União Ahu: Joe; Castelli (Neguitinho), Fábio, Thiago e Vivi (Lucas Siqueira); Guilherme Ribeiro, Luciano, Binho (Carlinhos) e Gui (Lucas); Clé (Stanley) e Bigo. Técnico: Marcelo Leôncio.

Uberlândia: Giraia (Carlão); Baiano, Luan Santos, Alex Paiva e Kiki (Gaúcho); Matheus, Denis, Juliano e Mineiro; Pulinho e Dinda (Radamés). Técnico: Joãozinho Ribeiro.

Arbitragem: Cristiano Antônio Teixeira, Marco Aurélio dos Santos e Zacarias Chumlak.

Gols: Dinda (UBE, aos 3’/1.º, aos 25’/1.º), Denis (UBE, aos 16’/1.º), Paulinho (UBE, aos 45/1.º, aos 12/’2º, os 42’/2.º), Luciano (AHU, contra, a favor do UBE, aos 14’/2.º), Baiano (UBE, contra, a favor do AHU, aos 31’/2.º), Bigo (AHU, aos 36/2.º).

Cartões Amarelos: Matheus, Mineiro (UBE).

Confira Imagens das Partidas:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Leave a Comment

Filed under Futebol Alternativo, Metrópole adentro

Bangu tira invencibilidade do Uberlândia e entra na briga; Nova Orleans bate União Ahu e segue sonhando

À esquerda, Joãozinho comemora o terceiro gol do Bangu, que cresceu na tabela na reta final; À direita, o Nova Orleans teve muito trabalho diante de um União Ahu bastante brioso

A rodada Copa de Futebol Amador da Capital neste sábado (10) no José Drulla Sobrinho teve a quebra de invencibilidade do Uberlândia diante de um Bangu comandado pelo meia Joãozinho, autor de dois gols num 3 a 0 em que o adversário perdeu muitos gols, e uma vitória duríssima do Nova Orleans sobre o União Ahu por 2 a 1 em que o adversário, com oito desfalques, improvisou goleiros na linha na etapa final mas mesmo assim vendeu bem caro o resultado.

Das quatro equipes que estiveram em campo, apenas o União Ahu não tem chances matemáticas de título, estando na vice-lanterna com apenas 4 pontos. O Nova Orleans é o vice-líder com 16 pontos, um a menos que o líder Capão Raso, este podendo perder pontos por escalação irregular. Os dois ponteiros são os únicos dos times na briga que ainda não folgaram na competição, isto é, jogarão apenas mais duas vezes. O Bangu assumiu a quarta colocação com 13 pontos e o Uberlândia está logo atrás com 12 pontos. Os sete primeiros seguem com chances matemáticas de título.

O Nova Orleans folga na próxima rodada. Os demais times envolvidos na jornada que cobrimos voltam a jogar no próximo sábado (17) às 15h30. O Uberlândia recebe o Nacional no Manoel Gustavo Schier, o União Ahu recebe o Palmeirinha no Ricardo Halick, e o Bangu faz duelo praticamente direto contra o Capão Raso no José Carlos de Oliveira Sobrinho.

Joãozinho comanda Bangu em arrancada

O Uberlândia entrou em campo no José Drulla Sobrinho como o último dos invictos na Copinha. No entanto, no primeiro minuto de jogo começou seu calvário. Joãozinho bateu escanteio na esquerda e a bola entrou direto superando o goleiro Gaúcho. Gol olímpico.

O gol fez o Bangu começar em alta rotação. Com o tempo passando, o Uberlândia primeiro equilibrou as ações e depois passou a comandar o jogo.

Assim seguiu no começo do segundo tempo. No entanto, Ricardo estava na meta rubro-negra, barrando várias tentativas do Uber.

Em processo de renovação, o Bangu lançou no time adulto o atacante Neguinho, aquele que foi vice-artilheiro da última Série B da Suburbana Juvenil encerrada há quase 6 meses e que foi conquistada pelo Bangu. Apesar de jovem, 18 anos, o camisa 15 acabou cumprindo um velho ditado do futebol: “quem não faz toma”. Aos 31 minutos, ele arrancou pela esquerda, livrou-se da marcação e bateu cruzado para fazer o seu primeiro gol na categoria adulta e dar mais tranquilidade ao Bangu.

O gol deixou as ações do jogo equilibradas. Mais eficiente, o time do Bangu chegou ao terceiro gol. Joãozinho encerrou o jogo em seu último lance, aos 50 minutos, fazendo o que fez no primeiro minuto: gol. Desta vez recebendo lançamento e finalizando com qualidade. Placar final de 3 a 0.

“Nossa partida. Acabamos tomando gol cedo, tendo de ir para cima com tudo. Temos de continuar jogando. Poderíamos ter ganhado uns pontinhos, mas faz parte”, disse após o jogo o lateral Luan Santos do Uberlândia.

“Tive uma tarde feliz. Escanteio que bati eu queria cruzar, mas peguei de três dedos. Os meninos se dedicaram. O Uberlândia é uma grande equipe e agora vamos ver o que conseguimos pela frente”, disse Joãozinho, autor de dois gols do Bangu.

União Ahu vende caro a derrota frente ao Nova Orleans

No jogo de fundo, o Nova Orleans veio praticamente completo, pois o julgamento que poderia suspender o meia Leomar e o atacante Ederson foi adiado pela ausência do árbitro da partida no TJD nesta semana. Do outro lado, o União Ahu contou com seis desfalques por lesão e dois por suspensão, contando com algumas estreias e com apenas quatro jogadores no banco, sendo três goleiros de origem, dois deles improvisados como jogadores de linha.

Mesmo assim, o time visitante não se intimidou e deu algum trabalho ao goleiro Yuri. Do outro lado, o goleiro Lucas teve bastante trabalho, assim como muitas chances do Orleans foram desperdiçadas. Na primeira etapa, o União Ahu teve um pênalti não marcado em um empurrão na área.

Aos 32 minutos da etapa inicial, o árbitro Diego Bonfim marcou pênalti de Guilherme Ribeiro. Ederson acabou chutando por cima do gol.

Com o gol não saindo, o time do Nova Orleans começou a demonstrar nervosismo para finalizar, o que se estendeu por boa parte da segunda etapa. O União Ahu seguia se defendendo bem e tentando levar vantagem em suas estocadas.

O zero do placar acabou saindo em um lance chorado. A bola foi cruzada baixa na área aos 24 minutos e Igor completou para o alívio do time da casa.

O segundo gol do Nova Orleans saiu em trama pela direita. Leonardo acionou Fininho na passagem. O meia cruzou e Jorge empurrou para as redes dividindo com a zaga.

O que parecia virar tranquilidade para o time da casa, virou suspense nos minutos finais. Mesmo improvisando os goleiros Maba, como lateral, e Joe, como atacante, depois de tomar o segundo gol, o Tricolor do Parque São Lourenço teve seu esforço recompensado diminuindo o placar. Em cobrança de pênalti aos 42 minutos, Gui, que estava sendo chamado de Guilherme até a rodada passada, mas agora tem homônimos na equipe, bateu com força no meio do gol, sacramentando o placar em 2 a 1.

“Graças a Deus pudemos sair com vitória e avançar com três pontos. Jogo foi um tanto duro e tivemos a felicidade de conseguir furar a defesa deles”, disse Igor do Nova Orleans.

“Agradecer pela oportunidade de estar reestreando. A gente lutou, não deu, mas fizemos uma grande partida. Equipe toda de parabéns, não faltou garra e nem determinação e vamos trabalhar forte no próximo jogo”, analisou Guilherme Ribeiro do União Ahu após o jogo.

Bangu fica sem seu artilheiro

O Bangu não conta mais com o atacante Luizinho, artilheiro da equipe na última temporada. O atacante jogará a Série A da Suburbana pelo Operário Pilarzinho e já começou a sua preparação com a nova equipe.

Ficha Técnica das Partidas:

Rodada dupla no Estádio José Drulla Sobrinho, Orleans, Curitiba

Bangu 3 x 0 Uberlândia

Bangu: Ricardo; Ronan, Bruno, Paulo Sérgio e Diogo; Samuca, Diego, Betinho (Thiago), Joãozinho; Gilson Fumaça (Delson) e Juninho (Neguinho). Técnico: Jefferson.

Uberlândia: Gaúcho; Luan Santos, Dênis, Alex Paiva e Allan; Nepo (Luizinho), Mineiro, Juliano (Baiano) e Luanzinho; Kiki (Paulinho) e Dinda. Técnico: Joãozinho Ribeiro.

Arbitragem: Gustavo Nogas, Deniel Carvalho, Reube Dobrychlop dos Reis.

Gols: Joãozinho (BAN, aos 1’/1.º, aos 50’/2.º), Neguinho (BAN, aos 31’/2.º).

Cartões Amarelos: Allan (UBE); Diogo, Diego, Neguinho (BAN)

Nova Orleans 2 x 1 União Ahu

Nova Orleans: Yuri; Leonardo, Nathan, Du e Dega (Fininho); Erick, Molão, Leomar (Peteca) e Victor Tilly; Ederson (Jorge) e Igor (Ricardinho). Técnico: Alexandre Oliveira.

União Ahu: Lucas; Castelli (Maba), Thiago, Fábio e Vivi; Guilherme Ribeiro, Lucas Siqueira (Joe), Luciano e Gui; Stanley e Binho (Carlos). Técnico: Marcelo Leôncio.

Arbitragem: Diego Bonfim, Deniel Carvalho, Reube Dobrychlop dos Reis.

Gols: Igor (UNO, aos 24’/2.º), Jorge (UNO, aos 33’/2.º), Gui (AHU, aos 42’/2.º).

Cartões Amarelos: Nathan, Erick, Victor Tilly, Ederson (UNO). Guilherme Ribeiro (AHU).

Confira imagens das partidas:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Leave a Comment

Filed under Futebol Alternativo, Metrópole adentro

Bangu, Grêmio Ipiranga, Nacional e União Ahu promovem festival de empates no Boqueirão

Tudo igual no XV de Agosto nos duelos Bangu x Grêmio Ipiranga (esq) e Nacional x União Ahu (dir)

Todas as honras foram repartidas na tarde de sábado (13) no Estádio XV de Agosto pela Copa de Futebol Amador da Capital. Os duelos diretos entre Bangu e Grêmio Ipiranga e entre Nacional e União Ahu acabaram rigorosamente empatados sob o mesmo placar, 2 a 2.

Nacional, União Ahu e Bangu terminaram a rodada formando “o Bonde dos Quatro Pontos”, separados na tabela por critérios de desempate. O alviceleste tem saldo de gols zero, o aurirubronegro tem saldo -1 com sete gols marcados, e o time rubronegro tem saldo -1 com seis gols marcados. As equipe ocupam respectivamente o sexto, o sétimo e o oitavo postos na tabela. Já o Grêmio Ipiranga pontuou pela primeira vez e manteve a décima posição que possuía antes da bola rolar.

Os quatro times voltam a jogar no próximo sábado (20). União Ahu e Bangu jogam no Parque Linear, com o União Ahu encarando o Capão Raso às 13h30 e o Bangu visitando o Santíssima Trindade às 15h30. Nacional e Grêmio Ipiranga também dividirão vestiários na próxima rodada, mas no Elba de Pádua Lima, com o Nacional encarando o Shabureya às 13h30 e o Grêmio Ipiranga fazendo duelo caseiro às 15h30 contra o Palmeirinha.

Primeiro tempo pró-Bangu

O primeiro tempo da preliminar terminou com vantagem no placar para o Bangu. O time do Santo Inácio, no entanto, saiu atrás no placar, com Juliano marcando aos 10 minutos para o Grêmio Ipiranga.

O empate veio em ótima conclusão de Fumaça aos 26 minutos da etapa inicial. A virada do Bangu veio por meio do matador Luizinho, aos 35 minutos.

Antes tarde do que nunca

O lateral Moura chegou mais tarde ao campo e entrou no intervalo. Foi o suficiente para, junto com Lucas e Moraes, alterações promovidas pelo técnico Marcio Victor, mudar o panorama da partida.

Bastante rápido, o experiente baixinho da camisa 16 costurou a defesa banguense pelo lado direito até ser parado com falta dentro da área. Pênalti que o jovem Moraes converteu com frieza aos 24 minutos da etapa final.

Ainda deu tempo para o Bangu ficar com um a menos em campo, pois Joãozinho foi expulso ao receber o segundo amarelo por reclamação aos 34 da etapa final. Placar final de 2 a 2.

“Foi um jogo difícil. Equipe começando a entrosar, com jogadores novos. Perdemos um pouco de pegada com alterações, perdemos jogador expulso e agora é recuperar e entrosar a equipe”, afirmou o atacante Luizinho após o jogo.

“Estava no trabalho, larguei um pouco tarde, teve trânsito, mas deu para jogar no segundo tempo e ter oportunidade de ajudar a equipe”, disse Moura.

Empate com gol de Puskas e momentos de UFC

O empate entre Nacional e União Ahu por 2 a 2 teve momentos belos e muitas expulsões e nervosismo no jogo de fundo.

O jovem time do Nacional, com uma formação ligeiramente mais experiente que na rodada passada saiu na frente com um gol de Nícolas, aproveitando rebote de fora da área aos 15 minutos.

A resposta do União Ahu foi rápida com Son acionando Dadinho, que bateu para empatar aos 19 minutos.

Aos 23 minutos, um gol que poderia ser indicado tranquilamente ao Prêmio Puskas de Gol do Ano. Son recebeu, deu um chapéu no zagueiro e bateu com muita força para o gol. A bola chegou a tocar o travessão antes de morrer nas redes do goleiro Ricardo.

Na segunda etapa, o Nacional chegou rapidamente ao empate. Em pênalti bastante reclamado sobre Luís Matheus, aos dois minutos, Guilherme cobrou deslocando o goleiro Maurício.

Depois disso, o jogo começou a tomar contornos de UFC com entradas fortes como a de Son em Douglas sem a bola, desencadeando em seguida uma série de desinteligências na lateral do gramado perto do banco do União Ahu. Nesta confusão, o árbitro Diego Henrique Bueno Paschoal expulsou um de cada lado: Guilherme do Nacional e Fábio do União Ahu.

O Nacional acabou terminando a partida com apenas oito jogadores em campo. Luciano recebeu cartão vermelho direto aos 36 minutos após entrada desastrada em Romildo. E Baraka recebeu o segundo amarelo aos 41 minutos em lance em que houve uma entrada dura na linha lateral na disputa entre Marconi e Romildo.

“Foi um jogo pegado com duas equipes correndo bastante, muita falta, difícil manter a bola no chão. Vamos para a próxima partida para tentarmos seguir no campeonato”, disse Nícolas do Nacional.

“Realmente foi jogo pegado, time deles mais leve e o nosso mais pesado com veteraninhos, conseguimos botar a bola no chão. O pênalti deles foi uma vergonha,mas valeu pela garra e pela determinação”, analisou Son do União Ahu.

É pau

Cercado de árvores, o campo do XV de Agosto é bastante agradável em dias mais quentes. No entanto, como efeito colateral, duas bolas foram parar no alto da vegetação. Uma delas sofreu uma inusitada tentativa de recuperação no intervalo com uma vara de uns sete metros de comprimento que acabou se quebrando ao meio, mas foi utilizada por uma pessoas que subiu na copa para retirar o objeto do alto.

Ficha Técnica das Partidas:

Rodada dupla no Estádio XV de Agosto, Boqueirão, Curitiba

Bangu 2 x 2 Grêmio Ipiranga

Bangu: Ricardo; Johninho (Ronan), Diego, Samuca e Neguinho (Marcelo); Fumaça (Thiago), Elton (Juninho), Baresi e Joãozinho; Luizinho e Zanca (Bruno). Técnico: Jefferson.

Grêmio Ipiranga: Osni; Luís (Moura), Cafu, Gamarra, Luan (David); Marcelinho, Carlinhos, Gustavo e Alex (Moraes); Juliano e Felipe (Lucas). Técnico: Márcio Victor.

Arbitragem: Jhonathan Fossa da Cruz, Roberto Rivelino dos Santos Junior, Alisson Alceu Bernardi Lovato.

Gols: Juliano (GRI, aos 10’/1.º), Fumaça (BAN, aos 26’/1.º), Luizinho (BAN, aos 35’/1.º), Moraes (GRI, aos 24’/2.º).

Cartões Amarelos: Ricardo, Baresi, Joãozinho, Ronan (BAN); Juliano, Moura (GRI).

Cartão Vermelho: Joãozinho (BAN, aos 34’/2.º, dupla advertência)

Nacional 2 x 2 União Ahu

Nacional: Ricardo; Bruninho, Barney (Gustavo, depois Erick), Luciano e Evandro; Baraka, Douglas (Jefferson), Guilherme e Fernandinho; Luís Matheus (Luquinhas) e Nícolas. Técnico: Alemão.

União Ahu: Maurício; Pedro, Fred (Fábio), Beto e Vivi (Matheus); Thiago, Luciano, Son e Guilherme (Stanley); Dadinho e Clé (Romildo). Técnico: Marcelo Leôncio.

Arbitragem: Diego Henrique Bueno Paschoal, Andrei Valenga Guimarães, André Assunção Estevam.

Gols: Nícolas (NAC, aos 15’/1.º), Dadinho (AHU, aos 19’/1º), Son (AHU, aos 23’/1.º), Guilherme  (NAC, aos 2’/2.º).

Cartões Amarelos: Baraka (NAC); Pedro, Vivi, Son, Romildo (AHU).

Cartões Vermelhos: Guilherme (NAC, aos 17’/2.º, após empurra-empurra generalizado), Fábio (AHU, aos 17’/2.º, após empurra-empurra generalizado), Luciano (NAC, aos 36’/2.º, após entrada dura), Baraka (NAC, aos 41’/2.º, dupla advertência).

Confira Imagens das Partidas:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Leave a Comment

Filed under Futebol Alternativo, Metrópole adentro

Baixe o pôster do Bangu – Campeão da Série B Juvenil da Suburbana

No último sábado (17), foi a vez da Suburbana Juvenil Série B ter seu campeão. O Bangu levantou a taça após vencer o Bairro Alto por 7 a 0.

Sendo assim, o Futebol Metrópole, presenteia o torcedor do Bangu com um pôster comemorando o título da Suburbana Juvenil – Série B.

Para baixar, clique no pôster com o botão direito e escolha a opção de salvar no seu computador ou aparato similar.

Agradecemos ao técnico Cristiano Bassoli pelo suporte na nomeação das pessoas na imagem:

Leave a Comment

Filed under Futebol Alternativo, Metrópole adentro

Atacante do Bangu faz três gols na decisão da Série B Juvenil da Suburbana e pede música

Neguinho (9) fechou a temporada com taça e tripleta

A decisão da Série B Juvenil da Suburbana trouxe quase tudo para o centroavante do Bangu, Neguinho. O atleta de 16 anos fez três gols, ajudou sua equipe a vencer o título com uma sonora goleada de 7 a 0 sobre o Bairro Alto e pediu música aqui no Futebol Metrópole, seguindo os passos de Alex Pinhais e Monstrinho.

Mas o que faltou para ele? Um gol. O centroavante fechou a competição como vice-artilheiro com 20 gols, um a menos que Lucas Echeverría do Grêmio Ipiranga. E que som pediu o jovem?

“Eu quero ouvir Raridade do Anderson Freire”, afirmou Neguinho após a partida.

Então segue aqui o pedido do artilheiro musical:

Leave a Comment

Filed under Futebol Alternativo, Metrópole adentro

Garotos do Bangu pintam o sete e conquistam a Série B Juvenil da Suburbana

Jogadores do Bangu com a taça: rubro-negro manteve ritmo a maior parte do tempo e conquistou a taça com goleada

Avassalador. Assim foi o Bangu na expressiva goleada aplicada sobre o Bairro Alto, sábado (17), no Ozório Claudino de Barros, na decisão juvenil da Série B da Suburbana, partida preliminar da decisão adulta. Após ter feito 3 a 0 no jogo de ida, o Rubro-Negro poderia até empatar para ficar com a taça, mas aplicou um 7 a 0.

O grande destaque da goleada foi o centroavante Neguinho, que fez três, mas ficou distante um gol da artilharia máxima da competição. Fez 20, contra 21 de Lucas Echeverría do Grêmio Ipiranga. Michel marcou duas vezes e Alisson e Márcio completaram a goleada.

“A gente fez um bom jogo e graças a Deus foi campeão. eu estava esperando uma artilharia, mas era preciso quatro gols, mas fiz apenas três e acabou não vindo”, declarou o camisa 9 do Bangu.

Pedro Aruã, goleiro do Bairro Alto que ficou no banco de reservas, ganhou o prêmio de goleiro menos vazado.

O jogo

O Bairro Alto precisava da vitória para levar o duelo para a terceira partida. Pensando nisso, o time apostou na boa qualidade de seus dois pontas, Warley e Bruno. Mas a estratégia começou a ruir com uma falta batida por Michel aos 9 minutos, abrindo o placar.

Logo depois, aos 10, Alisson bateu de fora da área e ampliou o marcador. Márcio, na bola aérea, ampliou aos 30 minutos.

Aos 39 minutos da etapa inicial, o goleiro Matheus bateu um tiro de meta e Neguinho acreditou, ganhando da zaga na velocidade e cabeceando sobre o goleiro. Foi o primeiro gol do atacante na partida, o quarto do Bangu.

A segunda etapa começou com o Bangu igual terminou. Aos nove minutos, Neguinho aproveitou sobra do goleiro Michel e marcou mais um.

O Bairro Alto sofreu um duro golpe com a expulsão de Bruno, aos 12 minutos, por reclamar com o árbitro Alexandre Sanches Ferreira na hora que iria ser substituído. Com dez em campo e precisando fazer seis gols para prolongar a competição, a equipe alvinegra virou presa ainda mais fácil.

Michel marcou mais um aos 20 minutos e Neguinho, de cabeça, aos 30 minutos, encerrou a goleada, chegando à sua tripleta.

Confira imagens da partida:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Leave a Comment

Filed under Futebol Alternativo, Metrópole adentro

Vila Sandra goleia Palmeirinha e está a um empate da taça da Série B

Zé Ricardo comemora o gol de abertura do placar: ataque do Vila Sandra funcionou muito bem no campo pesado do Elba de Pádua Lima

O Vila Sandra deu um passo gigante para a conquista do título da Série B da Suburbana. O Alvinegro goleou o Palmeirinha neste sábado (10), no Elba de Pádua Lima, pelo expressivo placar de 5 a 1 e está a apenas um empate de levantar a taça. Zé Ricardo e Adriano marcaram duas vezes cada e Maranhão, destaque da partida com dribles e assistências, marcou uma vez. Polaco diminuiu para o Palmeirinha, que agora precisa de uma vitória simples para levar a decisão para o terceiro jogo em campo neutro.

“Agora temos de chegar em casa e jogar o que sabemos, segurando atrás e marcando na frente. É um prazer jogar com o Zé Ricardo e o Adriano, dois monstros, e eu estou aqui só para fazer o dever de casa”, disse Maranhão do Vila Sandra.

 

“Agora é tudo ou nada. Pode ser 1 a 0, pois não tem vantagem. O time deles não chegou à toa e a gente também. Temos de ir lá buscar vitória para levar para o terceiro jogo. Hoje [sábado], o time nosso jogou com bastantes desfalques e nosso estilo de toque de bola e correria não funcionou. O time deles é bem postado e mataram o jogo”, analisou Du, do Palmeirinha.

A partida de volta será no próximo sábado (17), no Ozório Claudino de Barros, com os adultos entrando em campo às 16 horas e os juvenis às 14 horas (ainda nesta reportagem, o que aconteceu na decisão juvenil).

O jogo

O Vila Sandra começou aceso em campo e deu uma amostra do que seria a partida já aos 2 minutos, quando Maranhão arrancou pela esquerda e sofreu pênalti de Rafael. Após paralisação para atendimento, aos 5 minutos, Zé Ricardo bateu rente no canto e abriu o marcador.

O empate do Palmeirinha poderia ter saído pouco tempo depois, mas parou em Faísca salvando uma bola em cima da linha. O jogo na etapa inicial seguiu truncado, com as equipes tendo dificuldades de jogar no chão por causa do maltratado piso do Elba de Pádua Lima, que recebia o terceiro jogo do dia (houve uma final do Cinquentinha antes dos juvenis) com um tempo que alternava pancadas de chuvas com momentos de calmaria.

Atrás no marcador, o técnico Daniel Jorge mexeu três vezes no intervalo, tentando tirar o Palmeirinha do marasmo. Aos 11 minutos, após bate e rebate na área do Vila Sandra, o goleiro Felipe fez uma defesa milagrosa, mas Polaco acertou um voleio no rebote, empatando a partida.

Foi o que precisava para o Vila Sandra acordar. No lance seguinte, aos 12 minutos, Maranhão fez bela jogada pela direita e serviu Adriano, recolocando o Alvinegro na frente.

Aos 14 minutos, Robinho puxou um contra-ataque pela esquerda e encontrou Wescley, que rolou para Mineiro. O camisa 10 viu a passagem de Maranhão pela direita e tocou. O baixinho entortou a defesa, cortou para dentro e bateu na saída de Anderson.

O recital de Maranhão seguiu aos 19 minutos. O jovem ponteiro do Vila Sandra provocou mais um carnaval pelo lado direito do ataque e rolou para Adriano fazer seu 17.º gol na competição. Ele é o terceiro colocado na tabela de artilheiros.

O placar foi fechado aos 30 minutos, com Zé Ricardo aproveitando cruzamento de cabeça, sem sair do chão, com aparente facilidade. Foi o 23.º gol do artilheiro do campeonato, três a mais que Luizinho, do já eliminado Bangu, que tem 20 gols.

O placar elástico de 5 a 1 permitiu ainda que o técnico Marcos Franco pudesse poupar nos minutos finais seus principais jogadores.

Mais homenagens

A Chapecoense foi lembrada em mais alguns momentos. A torcida do Vila Sandra, que esteve em maior número, levou faixas de apoio ao time catarinense e cantou “Vamos Chape” na entrada no estádio, quando se posicionou na arquibancada visitante. A arquibancada local segue interditada após desabamento parcial causado por tempestade no meio do ano. O setor precisará de um muro de concreto para ser sustentado, pois fica alguns metros abaixo do nível da Rua Santa Regina, que passa do lado de trás do campo na Vila Ipiranga.

Bangu vence preliminar e está a um empate de título juvenil

Neguinho comemora o segundo gol do Bangu: um empate separa o Rubro-Negro do título

Na preliminar de juvenis, o Bangu venceu o Bairro Alto por 3 a 0 e também está distante apenas um empate do título da Série B Juvenil. O Bairro Alto precisa vencer o jogo de volta para forçar a terceira partida.

Mais adaptado ao piso, o Bangu saiu na frente aos 37 minutos do primeiro tempo. O lateral-esquerdo Du deu um chute despretensioso que entrou manso no canto do goleiro.

O rubro-negro aumentou aos 17 minutos do segundo tempo em uma bela jogada do centroavante Neguinho, que recebeu na velocidade e cortou duas vezes a defesa antes de bater.

Bonito também foi o gol de Alisson, aos 28 minutos, também usando de habilidade de para contornar a defesa e bater para o gol.

Ficha Técnica:

Palmeirinha 1 x 5 Vila Sandra

Estádio Elba de Pádua Lima, Vila Ipiranga, Capão Raso, Curitiba

Palmeirinha: Anderson; Rafael (Du), Lincoln, Thiago (Valdecir) e Polaco; Mucilon (Célio), Mazinho (Cafu), e Hantz; Dolinha (Jiovane), Marquinhos (César) e Thiagão. Técnico: Daniel Jorge.

Vila Sandra: Felipe; Robinho, Vinícius (Márcio), Faísca e Dedé; Guilherme, Wescley (Matusalém) e Mineiro (Juninho); Maranhão (Robson), Zé Ricardo (Mexicano) e Adriano (Gian). Técnico: Marcos Franco.

Arbitragem: Robson Toloczko Coutinho, Fabrício da Silva Martins e Giovani Marlus de Oliveira Massoquetto.

Gols: Zé Ricardo (VSA, aos 5’/1.º, aos 30’/2.º), Polaco (PGG, aos 11’/2.º), Adriano (VSA, aos 12’/2, aos 19’/2.º), Maranhão (VSA, aos 14’/2.º).

Cartões Amarelos: Rafael, Thiago, Mazinho (PGG); Felipe, Vinícius, Wescley (VSA).

Confira imagens das partidas:

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Leave a Comment

Filed under Futebol Alternativo, Metrópole adentro